Messagem do Embaixador por ocasião do 14 de Julho 2020 [fr]

JPEG

Bom dia a todos,
Este ano, a França, Moçambique e o mundo vêem-se confrontados com uma vasta crise sanitária. Os nossos quotidianos, as nossas vidas estão consequentemente perturbados.

Neste dia de celebração nacional, os meus pensamentos vão em primeiro lugar para os profissionais de saúde, engajados na luta contra esta pandemia e no socorro aos doentes. Em Moçambique e em Eswatini, tal como em França, os profissionais de saúde demonstram coragem e uma dedicação exemplar. Penso igualmente em todos os que, pelo seu trabalho quotidiano e pelo seu empenho, permitem-nos prosseguir de uma forma ou doutra, as nossas actividades. Penso também, nas famílias enlutadas que perderam entes queridos e a quem endereço as minhas sinceras condolências.

Nesta crise em que vivemos, a resposta indispensável, é a solidariedade.

Esta solidariedade da França, exprime-se singularmente para com o continente africano e especialmente para com Moçambique com o qual estamos ligados por laços históricos de forte amizade bem como pela nossa vizinhança no Oceano Indico.

Através das nossas iniciativas bilaterais, ou as que levamos a cabo no âmbito multilateral, conjuntamente com os nossos parceiros da União Europeia, do G20 ou do Clube de Paris, o nosso país responde presente : presente para construir, ao lado do Governo moçambicano, um modelo de desenvolvimento mais justo, mais inclusivo, equitativo e sustentável. Essa solidariedade é a que igualmente tivemos, conjuntamente com os nossos parceiros do GAVI para facilitar o acesso aos medicamentos ou, por nossa iniciativa, para fazer com que a futura vacina contra a Covid19 seja, amanhã, acessível a todos.

Hoje, mais do que nunca, a França confirma a sua confiança no futuro de Moçambique: a construção do novo Hospital da Beira que financiamos, o melhoramento da qualidade do ensino escolar com o projecto FASE, o desenvolvimento das energias renováveis com o projecto PROLER, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento comunitário na Área de Conservação de Chimanimani, a segurança marítima, a estruturação da sociedade civil com o apoio a numerosas ONG e a organização do Mês da Mulher… são algumas das demonstrações concretas e visíveis da nossa presença, do trabalho que levamos a cabo com as Mulheres e os Homens que fazem a riqueza deste belo país, e que contribui, no dia-a-dia, para mudar a vida dos cidadãos, para melhor. Este é o nosso compromisso reafirmado pelo Ministro Jean-Yves Le Drian, por ocasião da sua visita a Maputo, em Fevereiro passado.

Esta confiança é também, com certeza, a do sector privado, das empresas francesas que investem em Moçambique e com o nosso apoio: em todos os sectores, transporte, logística, distribuição, energias, agricultura, silvicultura, sector financeiro… as empresas francesas criam milhares de empregos e participam do desenvolvimento do país. A sua presença é uma riqueza; o seu dinamismo é um trunfo, para os nossos dois países.

Estas relações que nos unem são igualmente as da cultura. O Centro Cultural Franco Moçambicano, o “Franco”e a Aliança Francesa de M’Babane estão em primeiro plano destas miscelâneas indispensáveis, a das ideias, a das criações e a dos talentos. Saúdo a sua acção e a renovação que demonstraram neste período difícil. Também não me esqueço do Liceu Gustave Eiffel, cuja reputação de excelência e qualidade do ensino são reconhecidas por todos.

Minhas Senhoras, Meus Senhores,
Celebramos hoje as promessas da Revolução Francesa: a minha mensagem é por conseguinte de esperança e de confiança, na liberdade, na igualdade e na fraternidade.

A tous, je souhaite un très beau 14 juillet!
Viva a República de Moçambique
Viva a República Francesa
Viva a amizade Franco-Moçambicana

Dernière modification : 14/07/2020

Haut de page