Estudos na França

Cada ano, a França acolhe, pelo menos 250 000 mil estudantes estrangeiros nos seus estabelecimentos universitários ou equivalentes. Um terço destes estudantes provem do continente africano. A oferta universitária francesa toca, tanto os domínios clássicos, como os sectores secundados pela oferta de emprego. Quer se trate de aprendizagem do francês, estudos arqueológicos, gestão, economia ou de direito, estes sectores atraem a cada ano, numerosos estudantes estrangeiros que encontram nas universidades francesas, um meio para adquirir um diploma reconhecido no mundo inteiro, segundo o esquema LMD (Bacharelato-Mestrado- Doutoramento).

A pré-admissão numa universidade francesa faz-se a dois níveis :

• Admissão dos estudantes estrangeiros no primeiro ano de Bacharelato numa universidade francesa:

Todos os estudantes estrangeiros desejando prosseguir os estudos em França e que queiram inscrever-se pela primeira vez numa universidade Francesa devem submeter-se, se estes são titulares do diploma de ensino médio francês ou se o francês não é a língua oficial do seu país, ou ainda, se estes não são detentores do certificado DELF B2 ou DALF C2, nas provas do TCF- DAP (Teste de conhecimento do francês para o pedido de Admissão antecipado) organizada cada ano pelo Centro Internacional de Estudos Pedagógicos de Sèvres. Este pede as embaixadas para assegurarem a realização destas provas, nos centros mandatados.

No caso de Moçambique, estas provas são organizadas no Centro Cultural Franco-Moçambicano. As inscrições para estas provas começam no dia 15 de Dezembro de cada ano. Os dossiers devem ser remetidos ao serviço cultural da embaixada, o mais tardar, até ao dia 31 de Janeiro do ano seguinte . Estas provas tem lugar por volta do dia 20 de Fevereiro de cada ano, sob reserva de candidaturas. O custo do TCF-DAP é de 60€. Após, a passagem destas provas, os dossiers são enviados à primeira universidade escolhida pelo candidato (ele escolhe 3 por ordem de preferência e o percurso à seguir). As respostas das universidades chagam até finais de Maio.

Quanto as provas do DELF/DALF, estas são organizadas duas vezes por ano (maio e novembro) no Instituto de línguas de Maputo e no Centro Cultural Franco-Moçambicano que são os dois centro de avaliação mandatados pelo CIEP. Aulas de preparação aos exames ai são organizadas antes de cada sessão.

Para mais informações, contacte :

-  O Departamento de francês do Instituto de línguas de Maputo - Av. Ahmed Sékou Touré, 1256, tél. 21 32 56 84, e-mail : idl_dpf_mz@yahoo.fr

-  O secretariado do Centro cultural Franco-Moçambicano- Av. Samora Machel, 486, tél. 21 31 45 90, e-mail : pole.francophone@ccfmoz.com.

Admissão ao Mestrado ou Doutoramento.

A admissão de estudantes estrangeiros ao mestrado ou doutoramento depende do projecto universitário e/ou da sua motivação ou da coerência da sua trajectória profissional. O candidato envia um dossier de Candidatura, acompanhado de uma carta de recomendação de um professor da sua universidade, à varias universidades francesas, à partir de Fevereiro do ano em curso (par um inicio de ano universitário programado para setembro ou outubro do mesmo ano). A equipa pedagógica da universidade examina o dossier e emite uma notificação de aceitação ou de recusa. As universidades (serviços de acolhimento para os estudantes estrangeiros) são susceptíveis de participar financeiramente no apoio ao estudante estrangeiro. As decisões das universidades são autónomas. Os Conselhos Regionais, através do seu serviço de educação, podem igualmente conceder bolsas.

• Visto de Estudante para estadia de longa duração

Para obter um Visto de estudante, o requerente deve apresentar :

- Um passaporte cuja validade deve obrigatoriamente ser superior à um ano, à contar da data de emissão do visto.

- Um formulário de pedido de visto, com uma foto recente, correctamente preenchido, datado e assinado e mencionando imperativamente as coordenadas telefónicas do requerente e, se for o caso, um Endereço de e-mail.

- Um certificado de admissão numa universidade francesa

- Um formulário OFII (Serviço Francês de Imigração e de Integração) à requisitar no consulado de França em Maputo e cuja parte superior deve ser preenchida pelo requerente.

Justificativos dos meios de subsistência (3 possibilidades)

- Comprovativo de bolsa atribuída pelo governo francês ou por uma organização internacional ou estrangeira.
- Ou um comprovativo bancário precisando uma transferencia em seu proveito de um montante equivalente à 615 €/mês durante o primeiro ano ou seja um montante total de 7380 €
- Ou um acolhimento por um respondente em França, com os documentos
seguintes: uma fotocopia de titulo de identidade do respondente (Bilhete de identidade nacional ou passaporte, ou titulo de permanência em França e justificativo dos seus recurso (Últimos boletins de pagamento, ultimo aviso de tributação de rendimentos). O mínimo bancário foi reduzido à metade, a saber, o equivalente à 3680€.

Justificativos de alojamento durante os 3 primeiros meses da sua estadia em França

- Se é o caso de um hotel: reserva e recursos necessários para cobrir os custos.
- Se é o caso de alojamento em casa de um particular: declaração de honra
- Se é o caso de alojamento num estabelecimento: declaração do estabelecimento
- Ou uma carta, fornecendo uma explicação credível, relativa as condições de alojamento

• Bolsas do governo francês (BGF)

Uma quarentena de bolsas do governo francês está programada, cada ano, no orçamento da embaixada de França em Moçambique e na Sazilândia. Estas destinam-se em prioridade à funcionários moçambicanos, no quadro do seu aperfeiçoamento e especialmente a aquisição de um diploma universitário de nível de mestrado ou doutoramento.

As aulas na universidade são dadas em francês (salvo raras excepções), é obrigatório que o candidato à bolsa de estudos tenha um bom conhecimento da língua francesa (Ser detentor do certificado do DELF B2 ou do DALF C1).

O calendário de envio dos dossiers para as universidades é o mesmo que para os outros estudantes estrangeiros. Se o pedido é feito, os dossiers podem ser encaminhados pelo serviço cultural da embaixada por intermédio do responsável pelas bolsas que segue os dossiers.

Preparação da viagem :

Desde a recepção da confirmação de admissão na universidade, o bolseiro entra em contacto com o responsável pelas bolsas na embaixada. Este ultimo, envia o dossier ao operador EGIDE que se responsabiliza pela bolsa do estudante, durante a sua estadia em França. EGIDE instrui o dossier e envia uma informação e um plano de voo do bolseiro. Ao receber estes documentos, o responsável pelas bolsas entra em contacto com o bolseiro para os procedimentos de obtenção de visto (gratuito para os BGF).

Estadia em França

Em França, os estudantes podem ser alojados em campus universitários, quando a sua estadia ultrapassa os 3 meses e segundo a disponibilidade e à condição que estes sejam bolseiros do governo francês. Os bolseiros do governo francês recebem a pensão de alimentos (que pode incluir o direito à uma subvenção suplementar para alojamento) assim com a protecção social. Os BGF beneficiam-se também da redução das tarifas dos transportes públicos, nos cinemas, no teatro e nos restaurantes universitários. Ajuntar, os bolseiros do governo francês estão isentos dos custos de inscrição. Eles podem também exercer uma actividade remunerada, no limite de 60% da duração do trabalho anual.

O operador EGIDE, que se responsabiliza pela estadia dos bolseiros do governo francês, ajuda-os na aquisição do seu título de permanência.

Para toda a informação complementar, consultar os sites de EGIDE- www.egide.asso.fr; do Ministério da Educação nacional- www.education.gouv.fr; da agencia Campus France- www.campusfrance.org

Em fim, o programa «Quai d’Orsay / Entreprises» engloba sob forma de parcerias publico/privada, programas de bolsas cofinanciadas pelo ministério dos negócios estrangeiros e europeus e empresas como Thalès, Orange, DCNS, Alten…
(http://www.diplomatie.gouv.fr/fr/actions-france_830/education-universiteformation_1043/etudier-france-bourses_4933/quai-orsay-entreprises-les-programmesbourses-cofinancees_19289/index.html)

Outros programas de bolsa:

Outros programas de bolsas são propostos aos melhores estudantes estrangeiros. Podemos citar sobretudo o programa Eiffel cujo objectivo principal é de formar , nos estabelecimentos superiores franceses, os futuros decisores estrangeiros, dos domínios privado e público, sobretudo nos domínios das ciências e da tecnologia, da economia e gestão, do direito e das ciências políticas. Este programa concerne as formações de mestrado e doutoramento nos domínios acima citados ou estudos de engenharia.

Os candidatos são apresentados exclusivamente pelos estabelecimentos franceses que se comprometem imperativamente à inscrever os candidatos nas formações solicitadas, se eles obtêm a bolsa Eiffel. As embaixadas de França, por intermédio do seu serviço de cooperação e de acção cultural podem, se for o caso, ajudar os estabelecimentos à identificar os melhores estudantes nos seus países de residência

Para todo esclarecimento complementar sobre este programa de bolsa, consultar o site de EGIDE www.egide.asso.fr/eiffel.

Finalmente, o programa «Quai d’Orsay / Entreprises» reúne, em forma de parceria, programas de bolsas cofinanciados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e Europeus e por empresas tais como Thalès, Orange, DCNS, Alten...
Abril de 2012

Dernière modification : 27/04/2012

Haut de page