Discurso pronunciado por Alain Juppé durante o funeral das vítimas da tragédia de Toulouse

Sr Presidente da Knesset,

Sr Grande Rabino Yona Metzger, Sr Grande Rabino Shlomo Amar,

Sr Ministro ,

Minhas senhoras e meus senhores membros das famílias Sandler e Monsonego,

O vosso luto e vossa dor são os nossos. O assassinato odioso de Gabriel, de Arié, de Miriam e de Jonathan agita todo o povo francês. A França está em estado de choque. Toda a comunidade nacional pensa, hoje, nos vossos filhos martirizados e nas vossas famílias mutiladas. A classe política inteira, os representantes dos cultos judeu, cristão e muçulmano condenaram unanimemente este crime. Isto é, então, eu vim aqui testemunhar, em Jerusalém, em meu nome e em nome do Governo.

Este acto de uma violência surpreendente tocou o coração da França, atingindo tudo o que esta tem de mais frágil e mais caro: as famílias, um pai, os seus jovens filhos, os vossos filhos, os nossos filhos. É por isso que todas as crianças de França, como as das escolas francesas de Israel e do mundo inteiro observaram , ontem , um minuto de silêncio em sua memória e sua honra.

Tendo se apresentado, na manhã dos acontecimentos, no local do drama, em Toulouse, o Presidente da República expressou a solidariedade e a compaixão da Nação. Milhares de Franceses desceram em silêncio às ruas para partilhar a sua revolta, a sua tristeza. Porque nós vivemos uma tragédia nacional que toca cada um de nós profundamente.

Hoje, esta é uma França Magoada que se recolhe na memória das vitimas. Mas, estejam seguros de que a França faz tudo para proteger as escolas, os lugares de culto, a fim que tal acto, desprezível, ignóbil, inqualificável, não se reproduza. Eu tenho confiança na capacidade das forças francesas de segurança de prender, rapidamente, o assassino que será julgado, com toda a severidade que a gravidade e a crueldade do seu crime requer. Meios excepcionais estão implementados, neste momento, para que a justiça seja feita. E, a França não cederá ao terror.

Não tenham duvidas da nossa determinação em combater o anti-semitismo nos locais onde este se exprime. Cada vez que um judeu é injuriado, atingido, assassinado, no território da nossa república, é a nação que é atingida e deve reagir. A agressão de um judeu em França não diz respeito aos judeus apenas, é uma questão que diz respeito à 65 milhões de Franceses que não o toleram. O anti-semitismo é contrário à todos os valores da França. O anti-semitismo é insuportável.

Eu estou aqui, ao vosso lado para lembrar e expressar as minhas mais sinceras condolências, em nome da França, às famílias e aos parentes das vitimas. A vocês todos, pais, irmãos, irmãs, parentes e amigos, eu quero exprimir, hoje, a nossa solidariedade, nossa fraternidade nesta provação indiscritível. Os vossos filhos repousarão aqui, na terra de Israel, mas a sua memória permanecerá viva e honrada na terra de França, a sua pátria, nesta cidade de Toulouse, onde a sua vida foi roubada de forma atroz..

« Que a sua alma se junte ao feixe da vida » Té-hé nichmatam tsroura betzror ha-haim

Dernière modification : 26/03/2012

Haut de page